15 de jun de 2015

PARTO HUMANIZADO: O QUE É


Vamos começar pelo que o “Parto Humanizado” não é. Ele não é sinônimo de parto natural, na água ou domiciliar. Parto humanizado não significa um “tipo de parto”, ou seja, um modo de parir, uma posição, um local ou uma condição. Parto humanizado é uma abordagem ao parto, uma forma de encará-lo, vivê-lo, concebê-lo e conduzi-lo.

Protanto, qualquer parto pode ser humanizado. Então, pergutam, por que se vê parto humanizado associado geralmente a parto natural ou domiciliar?

Porque o parto humanizado nasceu para resgatar o protagonismo feminino que está associado à fisiologia do parto, ambos vinculados ao empoderamento feminino. Compreendendo cada um desses conceitos ficará claro porque parto humanizado geralmente se identifica com parto natural ou domiciliar.

Com “protagonismo feminino” se quer dizer que a mulher tem um lugar de destaque, que o parto é dela e ela tem uma atitude e postura ativas durante o mesmo. Isso implica uma mulher informada sobre o mecanismo de parto e à vontade no ambiente e com as pessoas (profissionais e não) para vivenciar o parto de forma livre, espontânea – ou seja ativa. Ela não é passiva, submissa, amedrontada, acuada. Ela atua em seu próprio parto.

Com “fisiologia do parto” se entende o mecanismo natural do parto, como ele funciona “ao estado natural, puro” sem intervenções externas (ou internas). Estamos aqui falando do parto animal, mamífero. Este parto segue um certo percurso e chega ao esperado desfecho de forma totalmente natural. Respeitando-o a experiência de parto é muito mais suave e menos dolorida do que quando a fisiologia do parto é desrespeitada ou atravancada por várias interferências externas (médicas e sociais) ou internas (medos).

Com “empoderamento feminino” nos referimos ao efeito que uma condição de preparação ao parto e de parto produz na mulher: um estado interior de poder, força, autoestima, confiança e autoconfiança. Não se trata aqui de poder mental, do ego, do “eu quero”. Trata-se de uma condição interior de poder aliada à confiança em si e na vida. Entrega e alegria, força e doação, vontade e fé.

Quando se quer levar em consideração esses conceitos, eis que a modalidade de parto em que a mulher é mais protagonista e em que a fisiologia é mais livre de atuar é necessariamente a o parto natural e domiciliar. Daí estar o parto humanizado tão associado a parto natural e domiciliar.

Entretanto, parto humanizado não se identifica com essas formas de parto, mas, como dissemos acima, com a abordagem ao parto. Pois, posto que nossa realidade humana não funciona segundo o ideal, temos “n” situações em que o parto completamente natural (sem intervenção alguma) e domiciliar não são possíveis ou desejáveis. Mesmo assim, os critérios de protagonismo feminino, fisiologia do parto e empoderamento feminino podem e devem ser levados em consideração.



Graças ao movimento pela humanização do parto descobre-se sempre mais o quanto o parto é um evento de altíssimo significado psicológico e espiritual para a mulher, seu filho e o casal. É com esta perspectiva em mente que é preciso pensar o parto para conduzi-lo da forma mais respeitosa possível, seja em termos de sua fisiologia como de sua humanidade


Daí a importância de fazer uma boa preparação ao parto, que deve incluir seja informações sobre como funciona o parto como também, e sobretudo, o preparo psico-emocional e espiritual para a chegada do bebê e a maior mudança de nossas vidas. 

10 de mai de 2015

DOULANDO EM SITUAÇÃO DIFÍCIL: PARTURIENTE DESCONECTADA E FAMILIARES DEMAIS POR PERTO

Este relato é surpreendente. Aline demonstrou uma capacidade incrível de administrar uma situação difícil, ainda mais por se tratar de sua primeira experiência de doulagem! Ela teve paciência, bom senso e perseverança. Foi capaz de liderar um trabalho de parto desconectado e invadido por terceiros sem arrogância e sem prepotência, mas com flexibilidade, positividade e verdadeiro talento pela doulagem. Amor à mulher e maturidade emocional para segurar uma onda difícil. Parabéns, Aline! Nossa mais nova doula formada pela ONG Amigas do Parto via Instituto Ser e Saber Consciente.

Relato de parto de Aline dos Santos Rossi (Cuiabá - MT) – primeira experiência de doulagem realizada enquanto se formava doula parto em nossos cursos.

“Meu primeiro encontro foi acompanhando outras duas doulas mais experientes: Carol e Tuanny. A gestante já estava em pódromos, mas fomos chamadas porque existia a possibilidade de

7 de mai de 2015

DOULAGEM DE SUCESSO

Por Maria Zilda Simoni Torres
Assistente de enfermagem e doula
2015


Tivemos nosso primeiro contato, casal e doula. Ouvi atentamente todas as dúvidas e medos do casal, principalmente da gestante. Apresentei informações concretas e fomos quebrando paradigmas no restante de nossas visitas periódicas.

A gestante me procurou por ser seu primeiro filho, primípara, e não querer em hipótese algum uma cesárea. Ela dizia

DIANTE DE UMA GESTANTE QUE QUER CESÁREA - Experiência de uma doula

Por Maria Zilda Simoni Torres
Santo André (SP)
maria_simoni@live.com

Vivi essa experiência com uma amiga, que tinha muito medo do parto normal. Ela ouvia histórias da carrochinha, onde mulheres tinham sofrido violências obstétricas, mulheres que tiveram parto normal e diziam que a dor era horrível, que sofreram fórceps e coisas desse nível.

Ela me deu espaço para conversamos sobre tipos de parto. Foi

6 de abr de 2015

COMO ACOLHER O RECÉM-NASCIDO

Ele chegou ao mundo ontem, nada sabe de si, de quem é, de onde está e de quem realmente são as pessoas à sua volta. Tem emoções e reconhece vozes e sons. Mas não pode enxergar direito, muito menos pensar no que está vivendo. Ele é, simplesmente é: é a fome que contrai seu estômago, é o desconforto da fralda cheia de xixi ou cocô, é o incômodo do frio ou do calor, é a irritação que sons repentinos e altos ou luz intensa e direta provocam. Ele é o vazio da ausência do corpo a corpo, daquele estar grudadinho, quentinho, aconchegado e totalmente seguro – única realidade sólida que ele conhece.

Seus pais estão eufóricos ou cansados, supresos ou exaustos. Familiares vêm e vão. Ilustres desconhecidos para o bebê. Geralmente

27 de mar de 2015

NASCER EM CASA, NASCER EM PAZ...

E eis que o “Dia da Árvore” chegou. Amanheceu 21 de setembro e minha comunhão com o bebê era tanta que eu já pressentia que algo estava por vir. Acordei e quando fui ao banheiro, o anúncio: sangue. A visão me trouxe euforia, como se uma grande festa estava começando. Contei pro meu marido que havia ‘chegado a hora’. Era para ele se preparar. Fomos, os dois, em um dos médicos que me acompanhava no pré-natal e, no exame, eu já estava com 3-4 cm de dilatação. Pronto, era este dia! O grande dia!

Eu oscilei entre chamar assistência (que viria de Porto Velho, capital, há 470 km), ou ficar somente eu e meu

25 de fev de 2015

ESCLARECIMENTOS SOBRE HUMANIZAÇÃO - Entrevista Revista Crescer

1) O movimento que prega um parto mais natural está ganhando forças?
Sim, o movimento que promove a humanização do parto e do nascimento está crescendo no Brasil.


2) Qual a explicação por trás disso: estariam as mulheres mais informadas sobre o assunto, por exemplo?
O primeiro passo na promoção desse movimento veio da parte dos médicos (ReHuNa). Novas evidências científicas colocaram em questão a forma como a obstetrícia é praticada. Essas evidências não são "novas". Já em 1985 a OMS divulgava as Recomendações para o Atendimento ao Parto Normal, que podemos ainda conserar muito mais avançadas do que a maioria dos médicos faz em sala parto hoje em dia. Em seguida, houve uma divulgação do movimento entre as mulheres pela criação do grupo Amigas do Parto do qual fui co-fundadora. Desse grupo nasceu todo o movimento de mulheres pelo parto humanizado no Brasil.
 
3) Parto natural e parto humanizado são a mesma coisa?

23 de fev de 2015

A CESÁREA É SEGURA?

A cesárea surgiu para salvar vidas, a da mãe e/ou a do bebê, sobretudo a do bebê. Com o tempo ela foi se aperfeiçoando, ou seja, foi ficando sempre mais segura para os dois, sobretudo para a mãe. Hoje podemos dizer que, com certeza, a cesárea é um procedimento cirúrgico bastante seguro.

Tudo certo? Não. Ainda assim, a cesárea é menos segura do que o parto vaginal. Convenientemente nos esquecemos que a cesárea é um procedimento cirúrgico, é uma operação. Ninguém tira as amídalas ao primeiro sinal de dor de garganta, pelo motivo óbvio de que não se fazem cirurgias à toa.

Quando se diz que a cesárea é segura, está-se querendo dizer que

21 de fev de 2015

O EFEITO VULCÂNICO: POR QUE SONO INADEQUADO DURANTE O DIA (FALTA DE SONECAS OU SONECAS CURTAS) RESULTA EM EXTREMA IRRITAÇÃO E LUTA CONTRA O SONO?

Conheça a fisiologia do sono dos bebês e entenda porque às vezes você erra pensando que está acertando

Sono é uma necessidade básica da existência humana. Sono adequado é necessário para que bebês descansem, se desenvolvam e para que os hormônios do crescimento atuem e suas necessidades dependem de idade e maturidade. Na primeira infância, os padrões e características do sono são diferentes dos adultos. Vamos discutir um pouco da fisiologia do sono de bebês a partir dos seguintes princípios (1, 2):

1. Como adultos dormem: adultos adormecem e entram primeiro em sono profundo "não-REM" (REM da sigla em inglês para “movimentos rápidos dos olhos”), no qual a respiração é superficial e regular e os músculos estão relaxados. Cerca de 1 hora e meia depois, se passa