25 de fev de 2015

ESCLARECIMENTOS SOBRE HUMANIZAÇÃO - Entrevista Revista Crescer

1) O movimento que prega um parto mais natural está ganhando forças?
Sim, o movimento que promove a humanização do parto e do nascimento está crescendo no Brasil.


2) Qual a explicação por trás disso: estariam as mulheres mais informadas sobre o assunto, por exemplo?
O primeiro passo na promoção desse movimento veio da parte dos médicos (ReHuNa). Novas evidências científicas colocaram em questão a forma como a obstetrícia é praticada. Essas evidências não são "novas". Já em 1985 a OMS divulgava as Recomendações para o Atendimento ao Parto Normal, que podemos ainda conserar muito mais avançadas do que a maioria dos médicos faz em sala parto hoje em dia. Em seguida, houve uma divulgação do movimento entre as mulheres pela criação do grupo Amigas do Parto do qual fui co-fundadora. Desse grupo nasceu todo o movimento de mulheres pelo parto humanizado no Brasil.
  
3) Parto natural e parto humanizado são a mesma coisa?
Não, não são a mesma coisa apesar de poderem acontecer ao mesmo tempo. Na ideia de parto natural a ênfase é posta num parto no qual o uso de tecnologia é nulo ou mínimo, e isso  por falta de necessidade de usar a tecnologia. Tudo flui naturalmente. O parto natural é o parto espontâneo, livre. Na ideia de parto humanizado a ênfase é posta num modelo diferente de atendimento ao parto. Frisa-se of ato do parto ser ativo, da mulher, não “feito pelo obstetra”. A mulher é a protagonista de seu parto e existe uma relação de mútuo respeito e parceria entre ela e o profissional que a acompanha.
4) Digamos que a gestante tenha de fazer uma cesárea por algum motivo de saúde: é possível humanizar esse tipo de parto também? Como?
Sim, a cesárea pode ser humanizada. A mulher é respeitada, lhe são informados todos os procedimentos, o pai está presente e/ou uma doula (acompanhante de parto), a mulher não é amarrada, pode ver o parto, o bebê é posto sobre seu peito assim que sair de sua barriga, os exames neonatais são feitos com o recém-nascido no corpo da mãe. A primeira mamada também acontece na primeira hora após o parto. ...E os profissionais em sala parto não fazem piadas, não falam de futebol ou de suas últimas compras, mas respeitam o momento sagrado do nascimento.


5) Do ponto de vista emocional, o que ganha a gestante ao fazer um parto normal? Queria que você comentasse a questão do empoderamento.
Um parto natural (não normal hospitalar, mas natural, livre e espontâneo) dá à mulher uma satisfação enorme. É como você ter um orgasmo no final de uma bela relação sexual. Imagine ser interrompida de repente, qual seria a sensação? O parto é o coroamento da gestação e o início da maternidade, é um rito de passagem. Ter sucesso nele é começar a maternidade com o pé direito. Empoderamento é a sensação de poder pessoal, auto-estima, felicidade e leveza que muitas mulheres têm após um parto assim. No meu livro "Mulheres (e homens) contam o parto 2" (São Paulo: Editora Biblioteca 24Horas.com, 2011) se podem encontrar várias histórias de parto fantásticas, inclusive de partos domiciliares desassistidos. Também, para a gestante meu livro "Empoderando as mulheres. Psicologia perinatal", esclarece bem o que significa empoderamento e como se chega lá. O livro contém exercícios ao final de cada capítulo e foi usado com muito êxito por grávidas para preparar-se psicologicamente para um parto empoderador (São Paulo: Editora Biblioteca 24Horas.com, 2009).
6) Quais são os principais receios da mulher em relação ao parto, na sua opinião? E como lidar com eles?
Os principais receios são: o medo da dor, o medo da vagina se alargar e do marido não gostar. Geralmente, o medo da dor é o maior receio. Como lidar com ele? Aprendendo sobre parto, como funciona, como acontece. Há muita ignorância. A dor, além de ser subjetiva, depende muito do psicológico: quanto mais uma mulher estiver assustada, maior a dor. O parto humanizado quer acabar com isso e dar às mulheres o parto mais aconchegante, gostoso e seguro possível. Sugiro outro livro meu, em parceria com uma equipe multidisciplinar, especialmente dedicado às grávidas: "Guia da grávidainformada e consciente", nele explicamos tudo sobre gravidez, parto, pós-parto e até um pouco sobre amamentação (temos outro específico sobre amamentação que se chama "Mamãe, eu quero mamar. História, técnica,cultura e psicologia do aleitamento materno”). Todos os livros são da Editora Biblioteca 24 Horas e pode ser comprados em edição impressa ou digital.